Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Tempo com cara de fim - Radyr Gonçalves


Da minha varanda
Ouço a voz/fantasma de Carmen Miranda
Leio Paulo Miranda
Em meio à ciranda de informações sobre a guerra

Lá fora
Os homens da infantaria mecanizada recitam um verso de morte
A Síria sepulta Damasco
Trump transa com a secretária
Enquanto Kim Jung-um devora o Budae jjigae
Como se devorasse cada homem além da fronteira

Cá comigo, no giro mundo do meu umbigo
Estudo teorias do fim do mundo
A invasão dos Alíens
As sete pragas
A fúria da besta
A briga dos bestas
Pelos ratos do Planalto

No asfalto mais um corpo jogado
Crianças devoradas pela baleia azul choram presas nas grades do umbral
No quintal nenhum fruto
O homem mal
O bicho bruto

O rezar apressado para não suicidar-se quando a noite cair
O sair do beco sem saída
A descida, a subida, a gangorra

Resta-nos ponderar

Debruço-me sobre os enigmas poéticos
E espero os desfechos proféticos
Desse tempo com cara de fim...

(Mas dizem que sempre foi assim).





Comentários