Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Quando Shirley partiu ou camisa sagrada - Radyr Gonçalves


(Natal, 2013)
“A saudade é uma flor remanescente”

... Quando Shirley partiu
Era um abril como esse abril vigente
Um tempo vermelho – mitopoéico
Enchia a fotografia da cena de eternidades

Chorei no silêncio vespertino da despedida
Nossos lábios nada diziam
Nossas almas tudo expressavam

... Quando Shirley partiu choveu fininho
Embaçando os vitrais dos nossos olhos
Prometemos algo dentro de um abraço demorado
Aliançamos esperanças
Deitamos sementes silenciosas de futuro
No escuro do nosso medo tecemos um sol no pavio nervoso de uma vela

Engoli o choro quando a noite beijou nossa face
O relógio quebrou enfim a linha do tempo
Nossas mãos despedaçadas desalinharam-se
Sem olhar para trás – partiu na nave de uma paz fora do tom

Deixou seu perfume
Seus laços, batom
Na minha velha camisa branca
Sagrada
Desde aquele dia quando ela seguiu estrada...

-
Radyr Gonçalves
Copyright 2017
Todos os direitos reservados



Comentários