Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Prisão de mim - Radyr Gonçalves


(A Erilva Leite)
Extremoz, fevereiro de 2017)


Desconstruo minhas prisões
E ainda assim me são muitos os muros
As celas, os grilhões
Os bíbulos mortos que temem em assombrar-me

Dias tanados – meio-dia/tom de noite
O bambaré dos ventos anunciando tufões
A polografia no mapa de um anjo

Percebo-me preso cada vez que penso na palavra liberdade

Minha santa osfresia – sinto o cheiro do cio das sereias atiçando os tritões
E o sabor acre do suor dos deuses nos rios da minha língua 

E morro a míngua
Nesse calabouço de estupidez
A razão – senhora maior
Olha-me da porta
A emoção – essa moça risonha
Que faz-se de morta

Ri-se de mim toda vez que falo
Liberdade, liberdade!

- Sinto como se um carrasco chicoteasse minhas costas...
(Eu nunca encaro a razão!).

-
Radyr Gonçalves
Copyright 2017
Todos os direitos reservados

Comentários