Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Poesia Mecânica



Minha poesia mecânica
De engrenagens frágeis
E pensamentos soltos

Meu coito verso
Meus oito contos
Meu conceito e ponto
Meu canto final

Deixo páginas em branco
Nuas probabilidades
Como nudez de mulher que voa

Mulher que voa é mais bonita nua
... Mais bonita que do que as mulheres que andam sempre com os pés fixos no chão...

Minha poesia de parafuso
Faço uso de pregos
Martelos, elos desligados
Madeira, cola, pó de serragem

Deixo sempre tinta sobrando na caneta
Para quem sabe escrever no corpo nu de alguma dama

O corpo de uma mulher é sempre a melhor tela
... Melhor do que essas telas finíssimas que os pintores famosos eternizam suas pinceladas

Meu verso livre
Minha sanha por liberdade
Meus olhos nus de contemplar mulheres nuas
Que voam pelo céu branco do meu quarto escuro.
 -
Radyr Gonçalves