Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Frida Kahlo - Meus fantasmas sabáticos





Frida Kahlo morta na parede
Eu deitado na rede
Vendo almas transeuntes espiando o trem

O trem do meio-dia do sábado
Sem paz, maltrata os trilhos
Não há risos, só carrancas, sem veias, sem brilhos

Minha verve cinza, se esvai
Junto com a fumaça do trem

Eu não tenho meu bem aqui comigo
Olho pro trem, olho pro umbigo

E o mundo vai além
Do cheiro do Diesel
Da pintura Mexicana
Das águas de Maceió

E eu aqui tão só
Vendo Frida Kahlo
Fantasma de parede.


 -
Radyr Gonçalves
Copyright 2013
Todos os direitos reservados