Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Quando outubro morrer











Deixo outubro com um frio aqui dentro

Quando novembro rebentar me encontrará incrédulo

Não pasmarei ante a beleza das violetas

Nem me curvarei ante as gardênias

Não existe primavera onde já não há amor

E já não há amor na minha poesia

Nem sentimento algum na minha áurea

Observe São Pedro no alto da Torre:

Pálido, desnorteado, olhando o horizonte vago

Triste por não manter suas promessas

Polvilhado pela poeira da vergonha

Angustiado por nada poder fazer

Ela se foi, meu filho!

E deixou os ramalhetes arquejando

E deixou meu coração palpitando

E levou consigo a primavera

Que mal nascera

E já morrera

No acenar lírico da despedida.

-

Radyr Gonçalves

Copyright 2011

Todos os direitos reservados

Comentários

Cris Dakinis disse…
Ai que lindo! Para cada leitor, um significado diferente nessas imagens tão seletas. Parabéns novamente, poeta!