Ainda sobre o amor ♦ Radyr Gonçalves

Emanuelli


Meu verso virgem
Meu sulfite intocado
Minha caneta mimada
Meu verso perverso
Cheio de manhas
E atrevimentos
É para o teu deleite, querida...

Meu trágico modo de escrever
Minhas perversões
Minhas taras noturnas
Meus rascunhos de seios – no quadro mal pintado –
São esboços dos meus delírios, amor...


´
Radyr Gonçalves
Copyright 2011
Todos os direitos reservados

Comentários